November 18, 2017

Agende Sua Consulta: (15) 98119.7327 | Sorocaba - SP

Transtorno Obsessivo Compulsivo

Por: Caroline Gouvêa S. Wallner*

                 O Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) acomete em torno de 3% da população mundial (atualmente estimada em quase 7,5 bilhões de pessoas). Parece pouco, mas estamos falando de milhões de pessoas no mundo inteiro.

         Apresento alguns dos sinais e sintomas característicos do transtorno obsessivo compulsivo (TOC) e suas manifestações associadas :

 – As obsessões ou ideias obsessivas = são pensamentos que vem à cabeça independente da vontade da pessoa, aparecendo repentinamente e repetidas vezes. São ideias irreais. A pessoa tem consciência que é uma ideia  e que não faz sentido, mas fica apavorada apenas em pensar nela.

As compulsões ou rituais compulsivos = são ações ou rituais que o sujeito sente-se na obrigação de realizar para aliviar ou evitar as obsessões e  repetições.

            Quando o sujeito não efetiva o ato para concretizar os rituais, ele tem um sentimento de sofrimento e ansiedade que o deixa com dificuldades de realizar outras ações. Para poder diagnosticar uma pessoa como portadora de TOC é necessário que as obsessões e/ou compulsões estejam interferindo ou limitando a realização de suas atividades diárias, que causem sofrimento ou incômodo ao sujeito e que consumam tempo.

          Baseado na minha experiência clínica com uma escuta psicanalítica, apresento uma reflexão sobre o transtorno obsessivo compulsivo. Durante estes anos tenho recebido tanto homens como mulheres, cada vez mais jovens (11-12 anos), sofrendo com estes pensamentos irreais que aprisionam o sujeito, mudando sua forma de agir e se posicionar no mundo. Nestes sinais e sintomas da obsessão e compulsão há a presença da dúvida, o pensamento obsessivo sobre algo irreal, alguns casos também envolvem a mania com rituais e a compulsão.

           Neste artigo desejo abordar uma reflexão mais provocadora sobre a subjetividade do sujeito além destes traços.

            Em psicanálise olhamos para o sujeito como dinâmico apesar da sua estrutura psíquica. A avaliação diagnóstica será observada a partir da estrutura psíquica de funcionamento do sujeito, sendo ela neurose, psicose ou perversa.

            Em seu livro, Neurose Obsessiva de Maria Anita Carneiro Ribeiro, aborda a questão política do discurso capitalista de anular o sujeito do desejo e substituí-lo para o consumidor passivo. “A neurose obsessiva é um distúrbio que produz sofrimento psíquico e que aponta para os impasses do sujeito com o seu desejo inconsciente. Já o TOC,  na abordagem e descrição do CID 10 é uma doença cerebral, com a qual o sujeito não tem nada a ver e que deve ser tratada com remédios. Depois da moda da depressão medicada, temos o obsessivo também reduzido a um doente que precisa ser medicado.”

            Não podemos reduzir o sujeito ao ponto de apenas olharmos para os sintomas.

            Em psicoterapia temos que oferecer para esse sujeito que sofre uma possibilidade de conviver com aquilo que o faz  sofrer e, conviver com seus sintomas de uma forma inclusiva em todos os contextos. Em psicanálise, não olhamos apenas para a cura como eliminação de um sintoma, existe uma possibilidade do sujeito viver, (com)viver e existir com seus sintomas.

            Na sequência exponho a fala de um paciente que sofre com TOC, apresentando um ritual de limpeza das mãos, que faz o tratamento com medicamentos e psicoterapia, e que convive com seus sintomas: “ A diferença é que agora eu aperto a mão. Os pensamentos vêm e vão. Mas agora consigo espantá-los. “

            É importante salientar que devemos a Freud “a invenção” da neurose obsessiva. Foi em 1986, no texto “A hereditariedade e a etiologia das neuroses”, que Freud tornou pública sua inovação nosográfica , em função das suas pesquisas sobre o inconsciente , foi necessário situar junto à histeria a neurose de obsessões.  Antes de Freud, o quadro que conhecemos hoje como neurose obsessiva era considerado uma manifestação de mania e pertencia ao quadro das psicoses.

 “Pinel, Esquirol, J.P Falret e Legrand du Saulle, grandes psiquiatras clínicos, descreveram a neurose obsessiva como mania sem delírio, a monomania do raciocínio, a loucura da dúvida, a patologia da inteligência, ora acentuando a alteração da conduta do sujeito afetado, ora sublinhando a sua alienação parcial. “

            Do ponto de vista médico, o transtorno obsessivo-compulsivo é uma doença marcada por obsessões e compulsões que ocorrem de forma persistente, podendo afetar rotinas, relações pessoais e profissionais do sujeito acometido por este transtorno, podendo tomar horas do dia, fazendo com que este, muitas vezes se isole para que seus rituais não sejam percebidos por familiares e amigos.

          Mesmo sendo os sintomas mais característicos do TOC, as obsessões e as compulsões, não podem ser consideradas separadamente durante o processo diagnóstico, afinal esses mesmos sintomas são parte de outros quadros clínicos como depressões, esquizofrenias e demências. Podendo ainda, ser consideradas manifestações normais em certas etapas da vida, como durante a gravidez e o puerpério (TORRES, 2004).

            O TOC foi considerado por muito tempo um dos transtornos mais complexos, principalmente no que diz respeito ao tratamento. “Ele era tido como raro, sendo que a prevalência do TOC é hoje de cerca de 3% da população mundial” (KARMO et al 1998 apud RIGGS; FOA, 1999, p. 220). Esses autores consideram que a idade de início do transtorno varia do início da adolescência até meados da segunda década de vida, ocorrendo geralmente mais cedo nos homens (13-15) e mais tarde nas mulheres (entre 20 – 24).

            A Neurose Obsessiva descrita em psicanálise por Sigmund Freud, desde o início de seu estudo, ressaltando estes aspectos no texto: “O homem dos ratos”, o qual contribuiu enormemente para a construção da teoria psicanalítica.

            Não há até hoje um consenso em relação a se, a neurose obsessiva descrita por Freud, poderia ser igualada ao que hoje a psiquiatria moderna descreve como Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC), fato é que poderemos encontrar pouca diferenciação na descrição feita por Freud  e no que hoje se denominam os sintomas desse transtorno.  Deixemos  que a comunidade científica nos responda  essas dúvidas.

            Há hoje uma tendência a medicar e reduzir a subjetividade, domá-la e impor-lhe regras de adequação. Se a proposta da reforma psiquiátrica é incluirmos o sujeito respeitando sua subjetividade e seus aspectos bio-psico e social,  como profissionais não podemos cair no reducionismo higienista e enquadrar o tratamento do sujeito apenas olhando para seus sinais e sintomas. Precisamos ir além destes traços para não retornarmos ao modelo hospitalar, enquadrando o sujeito por um nome.

 

 

*Caroline Gouvêa S. Wallner: Psicóloga (2006), Especialista em Saúde Mental, vive a psicanálise como um saber-fazer há 10 anos. Atende em Sorocaba/SP.

Editora da revista: Psicanálise e Amor: uma transmissão.

Mais sobre a autora: www.sorocabapsicologa.com.br

Referências:

Classificação Internacional de Doenças – CID-10. Organização Mundial de saúde. 7 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

FREUD, Sigmund. O Homem dos Ratos . Obras Completas, vol X – (1909) Notas sobre um caso de neurose obsessiva.

 

GRAEFF, Frederico G. Transtornos de ansiedade. São Paulo: Atheneu, 2004.

RIGGS, David S.; FOA, Edna B. Transtorno obsessivo-compulsivo. In: BARLOW, David H. Manual Clínico dos Transtornos Psicológicos. Porto Alegre: Artmed, 1999.

RIBEIRO, Maria Anita Carneiro. A neurose obsessiva. 3 ed.- Rio de Janeiro: Zahar,2011. ( Coleção Passo a Passo; 23).

http://www.saudemental.net/transtorno_obsessivo_compulsivo.htm

ROSARIO-CAMPOS, Maria Conceição do  and  MERCADANTE, Marcos T. Transtorno obsessivo-compulsivo. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2000, vol.22, suppl.2, pp.16-19. ISSN 1516-4446.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462000000600005.

TORRES, Albina Rodrigues. Transtorno obsessivo-compulsivo. In: HETEN, Luiz Alberto;

 

Sobre o(a) Autor(a)

Psicanálise e Amor

Quer ser um colunista deste site?
Entre em contato.
Contato: caroline@psicanaliseeamor.com.br

Artigos Relacionados

Deixar um Comentário/Resposta