October 20, 2017

Agende Sua Consulta: (15) 98119.7327 | Sorocaba - SP

Textos: Psicanálise.

TEXTOS SOBRE PSICANÁLISE
origem:http://www.cefetsp.br/edu/eso/filosofia/textosfreud.html
 
O mal estar na civilização – Clique aqui para fazer download deste livro.
Cinco Lições de Psicanálise – Obra completa de Sigmund Freud – Segundo a Edição Inglesa desta obra “em 1909, a Clark University, Worcester, Massachusetts, comemorou o vigésimo ano de sua fundação, e seu presidente, o Dr. G. Stanley Hall, convidou Freud e alguns de seus principais seguidores (C.F.G. Jung, S. Ferenczi, Ernest Jones e A. A. Brill) para participarem das celebrações e receberem graus honoríficos. Foi em dezembro de 1908 que Freud recebeu pela primeira vez o convite, mas foi somente no outono seguinte que esse convite se concretizou, tendo as cinco conferências de Freud sido pronunciadas na segunda-feira, 6 de setembro de 1909, e nos quatro dias subseqüentes.” (Fonte: PSICOSABER
Sugestões de Peças Teatrais – Sugestões de Peças Teatrais que guardam relação com a psicanálise.
Memórias Póstumas de Brás Cubas e Freud – Relação de Freud com Machado de Assis na obra “Memórias Póstumas de Brás Cubas”
Tópicos da Psicanálise Freudiana – Tópicos da Teoria Psicanalítica freudiana a partir de algumas obras sobre o seu pensamento e de alguns textos.
Textos sobre a Sexualidade Infantil – Vários textos sobre a sexualidade infantil como: “Contos de Fadas e Psicanálise, de Marilena Chauí”; Texto de Freud sobre a Sexualidade Infantil, Artigo da Revista Folha (Jornal Folha de São Paulo) sobre a sexualidade infantil, etc…..
Freud e a Sexualidade Feminina – Luzia Travassos Duarte: “Freud inicia seus estudos psicanalíticos com a escuta que faz das histéricas. São as mulheres que lhe abreM as portas para a decifração da mente humana e são elas mesmas que o levaram quando tentava desvelar o enigma do feminino humano, a um impasse: o que quer a mulher.” (Fonte: PSICONICA)– Este arquivo está compactado em zip e após a descompactação está em PDF. Se não tiver o programa Acrobat Reader CLIQUE AQUI para fazer o download.
Algumas Considerações sobre o Complexo de Édipo em Lacan e Freud – Glacy Gonzales Gorski : O falo na teoria de Freud e Lacan, O Édipo em Lacan, Os três momentos do Édipo em Lacan, Referências bibliográficas. (Fonte: PSICONICA)– Este arquivo está compactado em zip e após a descompactação está em PDF. Se não tiver o programa Acrobat Reader CLIQUE AQUI para fazer o download.
A histeria – Marilita Lúcia Calheiros de Castro : Da impossibilidade de sua definição, A personalidade da histérica, A histeria masculina, A histeria bem sucedida, Notas (Fonte:PSICONICA)– Este arquivo está compactado em zip e após a descompactação está em PDF. Se não tiver o programa Acrobat Reader CLIQUE AQUI para fazer o download.
A atualidade do Mal-Estar na Civilização – Marilita Lúcia Calheiros de Castro : A atualidade de um texto, Notas, Bibliografia (Fonte: PSICONICA)– Este arquivo está compactado em zip e após a descompactação está em PDF. Se não tiver o programa Acrobat Reader CLIQUE AQUI para fazer o download.
O aparelho psíquico e o seu funcionamento – Luzia Travassos Duarte: Introdução, O conceito de Inconsciente, As instâncias psíquicas e os mecanismos de defesa, Glossário (Fonte:PSICONICA)– Este arquivo está compactado em zip e após a descompactação está em PDF. Se não tiver o programa Acrobat Reader CLIQUE AQUI para fazer o download.
Site PSICONICA – Ótimo Site com textos sobre Psicanálise: A gênese da personalidade: o inato e o adquirido, O Desenvolvimento da Afetividade: a Constituição das Relações de Objeto, Pensando a respeito da pedofilia (abusos sexuais infantis) e da teoria da sedução, A Perversão na Infancia, Latência e Adolescência, O Suicídio na Adolescência, O Envelhecimento: Processo Biopsicossocial, Imagem, Narcisismo e Velhice, A anamnese, Tratamento da Intersexualidade: Diretrizes para lidar com pessoas com genitália ambígua, A dor, Reações Psíquicas do Paciente diante da Enfermidade Terminal, Reações da Família e dos Profissionais de Saúde diante do Paciente Terminal, Instruções para a realização de Monografias, Sobre o ensino da psicanálise nas universidades (de Sigmund Freud), A terapia familiar sistemica: em sintonia com o mundo, Ana O. e Breuer: Momento inaugural na compreensão da relação médico-paciente, etc….– Todos os textos deste site estão em extensão PDF. Se não tiver o programa Acrobat Reader para ler estes textos CLIQUE AQUI para fazer o download.
O caso de Romualdo e a violência – Sergio Paulo Rouanet discute a questão da violência a partir de personagens de Machado de Assis (Brás, Prudêncio, Romualdo): “Freud é um “naturalista” exemplar quando afirma que a violência é parte da herança da espécie, tanto histórica quanto biologicamente. Mas Freud é um “angelista”, também, na medida em que reconhece a fortíssima influência do mundo social. Existe para ele uma violência externa, ilegítima, que não se destina a manter a vida civilizada como tal e sim a perpetuar uma ordem social injusta. Essa violência social gera um grande ressentimento entre os explorados e estimula atos de violência individual ou coletiva pelos quais a própria sociedade é responsável.” (Fonte: JORNAL DO COMÉRCIO)
FREUD: um desejo terrível, egoísta, veio à tona dentro dela – Jostein Gaarder: “Freud achava que sempre havia uma tensão entre o homem e o seu meio. Para ser mais exato, uma tensão, ou um conflito, entre o próprio homem e aquilo que seu meio exigia dele. Não seria exagerado dizer que Freud descobriu o universo dos impulsos que regem a vida do homem. E isto faz dele um legítimo representante das correntes naturalistas, tão importantes em fins do século passado.”(Fonte: Do livro: “O mundo de Sofia”, Jostein Gaarder, Cia de Letras,1995, pág. 458-475)
Glossário de termos psicanalíticos – Pequeno glossário com alguns dos termos psicanalíticos mais conhecidos (Fonte: Jornal “Folha de São Paulo”, Folhetim, 23 de setembro de 1979)
Freud: um moralista que descobriu caminhos de liberdade – Maurício Knobel (analista e psiquiatra psicanalítico): “O fator social sempre foi considerado por Freud como elemento importantíssimo. Em alguns estudos ele chegou a colocar critério sobre estruturas e organizações da sociedade. Por exemplo., a sociedade só cria estruturas rígidas por se sentir fraca como é o caso do fanatismo religioso, dos exércitos brutalmente repressivos. Estas são instituições que Freud considera doentes e que levam a sociedade a adoecer.” (Fonte: Jornal “Folha de São Paulo”, Folhetim, 23 de setembro de 1979)
A consciência pode conhecer tudo? – Marilena Chauí: “Longe de desvalorizar a teoria do conhecimento, a psicanálise exige do pensamento que não faça concessões às idéias estabelecidas, à moral vigente, aos preconceitos e às opiniões de nossa sociedade, mas que os enfrente em nome da própria razão e do pensamento.” (Fonte: Filosofia, Ed. Ática, São Paulo, ano 2000, pág. 83-87)
Contos de Fadas e Psicanálise – Marilena Chauí: “Do ponto de vista da repressão sexual, os contos são interessantes porque são ambíguos. Por um lado, possuem um aspecto lúdico e liberador ao deixarem vir á tona desejos, fantasias, manifestações da sexualidade infantil, oferecendo à criança recursos para lidar com eles no imaginário; por outro lado, possuem um aspecto pedagógico que reforça os padrões da repressão sexual vigente, uma vez que orientam a criança para desejos apresentados como permitidos ou lícitos, narram as punições a que estão sujeitos os transgressores e prescrevem o momento em que a sexualidade genital deve ser aceita, qual sua forma correta ou normal.” (Fonte: Do livro “Repressão sexual: essa nossa (des)conhecida”, Marilena Chauí, Ed. Brasiliense, 1984, pág. 32-54)
A busca do prazer começa na infância – Entrevista com o Professor Milton Zaiden, membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise e especialista em psicanálise infantil: “… praticamente a psicanálise consiste na descrição do mundo mental da criança. Pode-se até dizer que são a mesma coisa: falar em psicanálise é, em última instância descrever o mundo mental da criança. Freud ao estudar o adulto começou a descobrir a existência da criança dentro dele.” (Fonte: Jornal “Folha de São Paulo”, Folhetim, 23 de setembro de 1979)
Um homem que se acostumou muito cedo a ser da oposição – Síntese biográfica de Freud – Roosevelt M. S. Cassoria: “Sigmund Freud nasceu em 6 de maio de 1856, em Freiberg, pequena cidade da Morávia (na época pertencente à Áustria – Hungria). Seu pai Jacob era comerciante de lã e face ao declínio da indústria têxtil na cidade, emigrou para Viena, quando Sigmund contava 3 anos de idade.” (Fonte: Jornal “Folha de São Paulo”, Folhetim, 23 de setembro de 1979, pág. 7)
Psicanálise da Criminalidade Brasileira: ricos e pobres – Hélio Pellegrino (psicanalista, psiquiatra e escritor já falecido) – Texto de 07 de outubro de 1984 publicado no Folhetim, pág. 6 a 8 (Jornal “Folha de São Paulo”): “O desrespeito da sociedade pelo trabalho – e pelos direitos elementares do trabalhador – pode levá-lo a uma ruptura com o pacto social. Desprezado, aviltado, degradado, o trabalhador se nega ao pacto. Rompe com ele, questiona-lhe a estrutura, repudia a validade e a justiça dos sacrifícios que, em seu nome, lhe foram exigidos. O rompimento do pacto social pelo trabalhador, em resposta a uma prévia ruptura da sociedade, pode vir a ter conseqüências catastróficas. Não nos esqueçamos que o pacto social – e o pacto edípico – se articulam íntima e indissoluvelmente.”
Ratinho: futuro imaginário – Rosa Nívea Pedroso: “O Programa do Ratinho, do SBT, produz um discurso destinado às massas (bem neste sentido, pois esse público não é concebido como cidadão) tecido e entrelaçado na comunicação sensacionalizada, nas pulsões do inconsciente, na punição dos miseráveis e no eros des(in)vestido de libido.” (No Site Observatório da Imprensa
Não mais, não ainda: a palavra na democracia e na psicanálise – Jurandir Costa Freire (psicanalista): “importa sublinhar duas características comuns à palavra democrática, concebida por Arendt, e a palavra psicanalítica, concebida por Freud. A primeira é a função iniciadora; a segunda, a função mediadora. Vejamos a primeira. Para ambos os pensadores a palavra constrói ex nihilo, isto é, introduz no mundo entidades que não existiam antes de serem pronunciadas. A função fundadora da palavra é radical. Mesmo quando o que é dito se apresenta como rótulo ou comentário do que supomos existir antes do batismo verbal, o ato de enunciação sempre altera aquilo que é enunciado.” (Fonte: Site do psicanalista Jurandir Costa Freire)
O que é o inconsciente – Fábio Hermann: “Inconsciente é o nome que se dá a um sistema lógico que, por necessidade teórica, supomos que opere na mente das pessoas, sem no entanto afirmar que, em si mesmo, seja assim ou assado. Dele só sabemos pela interpretação.” (Do livro “O que é Psicanálise” – de Fábio Herrmann. Ed. Brasiliense – 1983, pág. 33-42)
Freud: A consciência pode conhecer tudo? – Marilena Chauí: “Longe de desvalorizar a teoria do conhecimento, a psicanálise exige do pensamento que não faça concessões às idéias estabelecidas, à moral vigente, aos preconceitos e às opiniões de nossa sociedade, mas que os enfrente em nome da própria razão e do pensamento. A consciência é frágil, mas é ela que decide e aceita correr o risco da angústia e o risco de desvendar e decifrar o inconsciente. Aceita e decide enfrentar a angústia para chegar ao conhecimento de que somos um caniço pensante, como disse o filósofo Pascal.” (Fonte: Filosofia, Ed. Ática, São Paulo, ano 2000, pág. 83-87)
Textos sobre a Psicanálise junguiana – Textos sobre a psicanálise baseada em Carl Gustav Jung. Há primeiramente os textos copiados do Jornal “Folha de São Paulo”, de 08 de junho de 1991, e que tem os seguintes títulos: Quem foi Jung – Avaliação do pensamento de Jung: psicanalistas freudianos e junguianos – Entrevista com Dieter Baumann, neto de C. G. Jung – Discípulas amantes ajudaram a criar teoria – Analista diz que obra junguiana não é mística – Obras de Jung – Resenha do livro “Amigos íntimos, rivais perigosos” – Símbolos da transformação provocou ruptura com Freud (Clique no link acima para ter acesso a estes textos)
Textos que relacionam Marcuse com Freud – Vários textos que relacionam Marcuse com Freud. Baseados principalmente no livro de Herbert Marcuse: “Eros e Civilização”
Cinema e Psicanálise – Clique no link para ter acesso a comentários sobre filmes que guardam relação com a psicanálise como: Clube de Luta, Matrix, Vertigo, Homem aranha, Laranja Mecânica, Inteligência Artificial, A Rainha Margot, De Olhos bem fechados.
Sartre contra o inconsciente freudiano – Textos que confrontam o pensamento de Freud com o de Jean Paul Sartre. A questão principal destes textos é a negação do Inconsciente freudiano feita por Sartre.
Nietzsche e a Psicanálise – Alfredo Naffah Neto (Psicanalista, Professor-Titular do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC-SP) – Disponível no Site “Cadernos de Nietzsche”: http://www.fflch.usp.br/df/gen/Resumo: Este ensaio tematiza as relações possíveis entre a genealogia nietzschiana e a psicanálise. Examina, primeiramente, as controvérsias que permeiam a relação histórica entre a produção nietzschiana e a freudiana para, em seguida, exemplificar o uso da genealogia nietzschiana como ferramenta de avaliação crítica da psicanálise. Para tanto, toma a noção de inconsciente, discutindo as suas transformações ao longo da obra freudiana e os valores veiculados por essas mudanças. Conclui que a crescente identificação/sobreposição entre a noção de inconsciente e a de complexo de Édipo acabou por transformar a proposta de uma abertura ao desconhecido em uma nova forma de modelagem familiar.Palavras-chave: genealogia – psicanálise – consciência – inconsciente – complexo de Édipo – abertura ao desconhecido – modelagem familiar
Site do psicanalista Jurandir Costa Freire – Ótimo site do psicanalista Jurandir Costa Freire com ótimos textos vinculando a psicanálise a temas do Brasil e do mundo de hoje.
82: a seleção recalcada – Tales A.M. Ab’Sáber: “Dificuldade em aceitar a derrota da equipe brasileira que encantou o mundo do futebol e tentativa sistemática de apagá-la da memória coletiva acusam o nosso horror diante da imensa negação de nós mesmos” (Jornal Folha de São Paulo – 26/05/2002)
A pulsão de morte da concorrência – Robert Kurz: “Massacres em escolas dos EUA e Europa fazem parte de um fenômeno social pós-moderno de escala planetária que encena a autoperdição do indivíduo” (JornalFolha de São Paulo – 26/05/2002)
Os fios da Teia (Comentário sobre o filme: “O Homem Aranha”) – Jorge Coli: “… essa obsessão já surgira, insistente, em outras obras do diretor: a fortuna ambicionada traz poderes deletérios e maléficos. Menos até: uma simples transação, um banal pagamento, envolvendo notas e moedas, parecem ocultar sempre algo de doentio e de asqueroso.” (Jornal Folha de São Paulo – 26/05/2002)
Poder, Estado e Sociedade em Hobbes e Freud: Reflexões sobre Leviatã e o Mal-estar na Civilização – João Rêgo : “Serão abordadas as obras de dois pensadores, Hobbes (1588-1679) e Freud (1856-1939), o primeiro com o Leviatã, obra que se impôs como um dos clássicos do pensamento político, representando um dos primeiros, e também um dos mais relevantes trabalhos a sistematizar, através de um modelo conceitual, a compreensão sobre o Estado e seu papel nas formações da sociedades humanas.” (Do Site: FUNDAJ)
O Ego e os Mecanismos de Defesa : “O ego está submetido aos desejos do id e à repressão que o superego faz. Ele obedecerá ao princípio da realidade, ou seja, deverá encontrar formas de satisfazer os desejos do id sem ferir a moral do superego. Para realizar a difícil tarefa o ego acaba por criar mecanismos de defesa. Foi este o nome que Freud adotou para apresentar os diferentes tipos de manifestações que as defesas do Ego podem apresentar, já que este não se defronta só com as pressões e solicitações do Id e do Superego, pois aos dois se juntam o mundo exterior e as lembranças do passado.” (Do Site: PSICANALISE FREUDIANA)
Identidade e Identificação – Renato Mezan: “A identidade situa-se no ponto de cruzamento entre algo que vem de nós (o equipamento psíquico com o qual nascemos) e algo que nos vem de fora, isto é, da realidade externa. E, como dizia Freud em Totem e Tabu, na realidade externa o que existe é a sociedade humana, com as suas instituições e as suas normas.” (Do Livro: Psicanálise, judaísmo: ressonâncias. Renato Mezan. Ed. Escuta, 1986, Campinas, SP, pág. 44-49)
O que é a Psicanálise – Maurício Knobel – Com os itens: Breve Histórico – O método Psicanalítico: “Poucas contribuições à cultura e ao conhecimento universal influenciaram tanto o pensamento contemporâneo como a psicanálise. Idealizada por um, na época, jovem médico vienense, permeou nossa cultura em geral e não ficou só nos meios acadêmicos mas também popularizou-se. Quando não entendemos alguma coisa, quando duvidamos de alguma afirmação, se o que se afirma não fica claro ou desperta dúvidas, não é infreqüente ouvir: “Bom… Freud explica” . É um “Freud” permanente, atual, um mestre que está aí, a mão, que poderia resolver, ou esclarecer o que agora não entendemos, o que por enquanto fica sem se poder entender mas que certamente deve ter alguma justificação ou razão.” (No site COMCIÊNCIA)
Freud e Reich: duas matrizes – André Valente de Barros Barreto – Com os itens: Breve Histórico – O método Psicanalítico: “Assim, antes de mais nada, são duas grandes matrizes filosóficas, a hobbesiana e a rousseauniana, que colocam Freud e Reich em campos opostos em tantos temas. Defender a realização das pulsões, apostar numa sexualidade natural, introduzir o corpo no setting terapêutico e postular uma sociedade mais saudável e livre, implicava, da parte de Reich, combater a matriz hobbesiana presente na teoria cultural de Freud e, assim, contrapor-se à uma concepção filosófica racionalista que vê a cultura como uma elevação moral frente à barbárie da natureza e propõe a dominação das paixões humanas como condição para a sociabilidade e a política.” (No site COMCIÊNCIA)
Freud e Lacan – Marcia Szajnbok: “Não é esse, afinal, o desenlace da própria transferência de Lacan para com Freud? Sem se deixar capturar pelo fascínio da imagem de Freud, Lacan pode mantê-lo sempre como um Outro, uma referência… mas um Outro cujo saber pode ser questionado.” (No site COMCIÊNCIA)
 
Textos sobre o livro “A interpretação dos Sonhos”, de Sigmund Freud (Jornal “Folha de São Paulo”, 28 de novembro de 1999):
  • A ambição impossível de Freud – de Harold Bloom: “Um sonho, por mais elaborado, é só um substituto para outro texto mais verdadeiro; mas um substituto capaz de exercer a interpretação, o que o torna particularmente suspeito. Na visão freudiana, um sonho é, portanto, um texto tardio, um comentário inadequado a um poema ausente.”
  • A primeira crítica – de Carl Metzentin: A primeira resenha conhecida sobre o livro que inaugurou a psicanálise saiu num jornal literário de Viena, o “Die Gegenwart”, em 16 de dezembro de 1899. Freud não gostou nada do texto, intitulado “A Interpretação Científica dos Sonhos”, e escreveu uma carta a seu amigo Wilhelm Fliess em que lamentava: “É vazia como avaliação crítica e inadequada como resenha”.
  • A descoberta revolucionária de Freud – de Renato Mezan: Publicado em novembro de 1899, “A Interpretação dos Sonhos” é o primeiro monumento da psicanálise, a corrente de pensamento mais influente do século.
  • O sentido dos sonhos – de Maria Rita Kehl: “Se Freud não podia prever a extensão dos efeitos de “A Interpretação dos Sonhos” sobre o mundo ocidental, certamente intuía a dimensão desestabilizadora do que estava fazendo. Tanto que escreveu a seu amigo Fliess, dizendo que, algum dia, na porta de sua casa, haveria uma placa dizendo: “Nesta casa, no ano de 1899, o segredo dos sonhos foi revelado ao dr. Sigmund Freud”.
  • Cronologia – Em 1899 Freud publica em novembro “A Interpretação dos Sonhos” (Die Traumdeutung), por ele considerado seu maior livro. A edição traz a data de 1900.
  • Trecho do livro “A Interpretação dos Sonhos” – Trecho de “A Interpretação dos Sonhos” (Ed. Imago) – Tradução de Walderedo Ismael de Oliveira.
  • Carta a Fliess – sobre os sonhos – de Sigmund Freud: “Não apenas os sonhos, mas também os ataques histéricos, são as realizações de desejos.”

     

  • Carta a Fliess – sobre os sonhos – de Sigmund Freud: “Nenhum crítico (nem mesmo o estúpido Löwenfeld, o Burckhard da neuropatologia) consegue sentir mais claramente do que eu a disparidade entre os problemas e as respostas a eles fornecidas em “A Interpretação dos Sonhos.”

     

 

Sobre o(a) Autor(a)

Psicanálise e Amor

Quer ser um colunista deste site? Entre em contato. Contato: caroline@psicanaliseeamor.com.br

Artigos Relacionados

1 Comment

  1. Paulo Becare Henrique

    Ainda quero comentar em todos os posts, mas farei isso aos poucos.

    Quanto a esse post aqui: indicações preciosas, Caroline! Obrigado por compartilhar seu conhecimento.

Comments are closed.