November 17, 2017

Agende Sua Consulta: (15) 98119.7327 | Sorocaba - SP

O QUE HÁ DE ÚNICO EM CADA SUJEITO

O QUE HÁ DE ÚNICO EM CADA SUJEITO

Philippe Lacadée

O argumento do segundo eixo temático do Terceiro Encontro Americano “A variedade da prática: do tipo clínico ao caso único em psicanálise” faz valer que o anoréxico, o bulímico, o toxicômano, o deprimido, o bipolar, o que fracassa na escola e o que passa ao ato se apresentam, dentre outros, como “tipos clínicos” de nossa modernidade que qualifiquei, graças a Jacques-Alain Miller, de irônico.

Independente da idade, estes sujeitos são classificados de modo predicativo a serem enquadrados e geralmente petrificados nas identificações que permitem avaliá-los a fim de, creiamos, oferecê-los práticas terapêuticas adequadas a seus sintomas, que geralmente forcluído é o que tem de único e faz com que o sujeito seja seu dizer. Para Lacan: “Não há sujeito senão do dizer”.

A psicanálise se distingue, assim, de outros tratamentos que retiram do sintoma os traços de subjetividade, irresponsabilizando o sujeito, lhe retirando toda chance de se orientar no que causa sua vida, a partir do que ele sente em seu corpo e pensamento.

Trata-se, então, de mostrar como a psicanálise de orientação lacaniana pode ser diferente, privilegiando o que há de único em cada sujeito a partir de duas referências essenciais a este: o dizer e o real.

Não há análise senão do particular.

Cristiana1 escolheu, para nos apresentar, dois casos clínicos sobre o tratamento de duas jovens que em face do que da sexualidade faz “buraco no real”, encontra uma modalidade de resposta sob o sintoma típico de anorexia que ela considera como trans-estrutural. Ela se pergunta como, a partir de determinada conjectura, cada uma destas jovens mudou seu modo de gozo em relação à alimentação. Cada uma delas, à sua maneira, diz Cristiana, apresenta o seu problema e faz valer, como o mesmo tipo de sintoma tem uma função diferente para cada uma.

Freud nos diz que devemos chamar tais sintomas de “sintomas típicos de uma doença; são quase os mesmos em todos os casos, as distinções individuais neles desaparecem, ou pelo menos diminuem, de tal forma, que é difícil pô-los em conexão com a experiência individual dos pacientes e relacioná-los a situações particulares que vivenciaram”.2 “Com um background semelhante, diferentes pacientes, não obstante, exibem suas exigências individuais – manhas, como se costuma dizer – que, em alguns casos, se contradizem abertamente umas às outras”3.

Freud recomenda, então, não esquecer que é a partir dos sintomas típicos que nós nos orientamos para elaborar o diagnóstico. “Se os sintomas, isoladamente, são tão inequivocamente dependentes das experiências pessoais do paciente, resta a possibilidade de os sintomas psíquicos remontarem a uma experiência vivida que é típica em si mesma – comum a todos os seres humanos”.4

Lacan nos diz que apenas a experiência da análise revela ao analisante o sentido dos seus sintomas5. É por isso que Freud recomendava que tudo numa análise deve ser recolhido como se nada fosse pré-estabelecido. Daí a associação livre, sua formidável invenção, onde o sujeito convidado é aquele do dizer e não aquele do pensamento.

Lacan nos provoca dizendo que numa análise licenciamos o sujeito6. Nós lhe damos uma licença para que então surja a verdade que não se diz, mas da qual se sofre. “Há sofrimento que é um fato, já que esconde um dizer. É por esta ambigüidade que se recusa que ele seja indispensável em sua manifestação. O sofrimento quer ser um sintoma, este quer enunciar a verdade”7. Deste modo, o escape do tonel deve ser sempre reaberto8. E Lacan é categórico: “A questão começa a partir de que existem tipos de sintomas, existe uma clínica. Só que vejam:

ela é anterior discurso analítico e, se este lhe traz uma luz, isso é seguro, mas não é certo. […] Que os tipos clínicos decorrem de uma estrutura, eis o que já se pode escrever, embora não sem flutuação. […] Com o que indico que o que decorre da mesma estrutura não tem forçosamente o mesmo sentido.

É por isso que só existe análise do particular: não é de um sentido único, em absoluto, que provém uma mesma estrutura, sobretudo quando ela atinge o discurso”.9

Os estranhos sofrimentos

Proponho pegarmos os sinais clínicos apresentados pelas duas jovens, como sinais “destes estranhos sofrimentos”, sempre tão particulares, conforme fala Rimbauld, e elevá-los à dignidade dos fatos relevantes de um dizer. Assim, propomos seguir a indicação que nos dava Lacan qualificando a conduta do sujeito de pantomima10 e interrogar as relações precisas da pantomima e da linguagem. A pantomima designa inicialmente a mímica a qual acompanhamos um texto, depois, mais amplamente, a arte de expressar-se pelos gestos sem recorrer à linguagem.

Digamos, então, primeiramente, uma palavra sobre o que nomeamos de sofrimento e depois abordaremos a clínica do adolescente, a partir dos sinais de sofrimentos, tentando dizer como nós psicanalistas respondemos, sem arrumá-los no quadro de distúrbios do comportamento.

“Estranhos sofrimentos”11 do adolescente, eis o que dizia Rimbauld já ser esperado, ele que soube cedo situá-los na sua escrita, o que permitiu amarrar em sua verdadeira vida, esta sensação imediata, com esta língua que ele encontrou na errância de sua liberdade livre, e que lhe ofereceu um quadro para estes “sofrimentos modernos”12.

Para nós, também, estes sofrimentos dos adolescentes são sempre modernos, atualizando-se para cada um de maneira particular, no seu corpo de criança desde que eles reencontrem de maneira contingente, nesta delicada transição, novas sensações, que vêm a manchar (faire tache)13 o quadro de sua infância, instante onde o real vem fazer buraco como efração no corpo libidinal e imaginário e, também buraco no saber.

Este real, podemos com Rimbauld nomear de uma sensação indizível que o leva a errância, mas sua escrita nos oferece a possibilidade de apreender o texto que sustentou sua pantomima, que foi sua solução frente a estes estranhos sofrimentos. Frente ao excesso de gozo, que invade seu corpo e o deixa fora do discurso, a fuga ou a errância, as automutilações, a tentativa de suicídio, podem, com efeito, representar uma última tentativa de inscrição no laço social.

Qual é este excedente no qual o sujeito se dedica e que o deixa em pane “de tradução em imagens verbais?”14 Como a letra do poeta conseguiu freá-lo? Pois, tal é a nossa hipótese: quando falham os processos de tradução e de nomeação, surge o distúrbio do comportamento como formação do inconsciente mais longa e mais contínua que o sintoma freudiano. Lá, onde o sintoma opera uma amarração entre o significante e o corpo, uma prática de ruptura condena o sujeito, no melhor, a vagabundear, “a evadir-se”, longe de toda inscrição significante o ancorando no campo do Outro, ou, no pior, a suicidar-se. Esta prática pode também tomar o lugar de um ato – de um distúrbio do comportamento – pelo qual o sujeito tenta se separar do Outro, recusando-se a passar pela palavra e pelos semblantes que ele denuncia, ou do mesmo modo, o valor de um sintoma de recusa. Convidar a ler estes distúrbios de anorexia como de pantomimas neuróticas ou psicóticas, como propõe Cristiana, é propor decifrar a maneira pela qual o sujeito se situa frente ao desejo do Outro, separa-se dele, o provoca ou o faz surgir, ou o recusa radicalmente. E estes dois casos nos mostram como para uma jovem adolescente, se é do lado da mãe que se coloca em jogo a anorexia como tentativa desesperada de fazer valer seu ser de objeto podendo ir até a morte, é do lado do pai que se revela à adolescente a importância deste ideal do eu, como ponto de onde o sujeito tenta se ver como digno de ser amado, se ver amável. Assim, para Polyana ninguém a ama, sobretudo seu pai, então, ela deve morrer.

Da mancha à obrigação do bem dizer

É por isso, que nesta delicada transição do “início de uma mulher ao fim de uma criança” que surgem as novas sensações que vêm marcar o quadro de sua infância. Marcas em seu corpo e pensamentos, e também, marcas nos seus quartos, suas paredes, como mostra bem Gabriela. É o que elas dizem: “me sinto muito incomodada frente às transformações de meu corpo”. É lá, onde a questão das vozes toma todo o seu lugar, deixando cada caso único. Portanto, para Polyana, a marca retorna articulando-se de modo particular na gramática pulsional de seu tempo presente. E é nesta clínica sobre transferência, que Cristiana a ajuda a construir sua relação ao objeto pulsional, encontrando uma orientação diagnóstica, colocando em evidência o que há de único em cada caso, isolando também para cada uma sua relação com o real, que pôde elaborar-se sob transferência.

Gramática, esta ligada à amarração do gozo de seu corpo vivente, à topologia do significante. Marca um tanto dolorosa, diz Freud, que ela se situa no momento necessário, onde o adolescente deve se separar do que seria, até o momento, uma autoridade para ele, a autoridade dos pais, geralmente apreendida a partir da voz do pai, e que são, para ele, os veículos desejantes de uma certa autoridade da língua. Nossa época talvez, mais do que antes, é justamente esta autoridade da língua, que é colocada em jogo, neste momento, onde o adolescente tem a obrigação (tâche), o dever ético de “encontrar uma língua” para se dizer ao Outro. É o que nós podemos nomear também, o dever de bem dizer o que causa seu sofrimento, ou seja, o que dele espera para ser traduzido. Assim, Polyana descreve minuciosamente sua prática e abre uma nova via, pelo modo da negação: “Ela não gosta de falar das coisas de meninas”. E ela continua: “Ela se sente incerta na vida e não sabe sobre o que falar”. E é daí que se joga a pertinência da oferta do psicanalista: “Ela pode entrar para falar do que ela não sabe”. Gabriela encontra alguém que lhe oferece vir lhe falar, já que ela não tinha encontrado ninguém quando havia se cortado os punhos. É isso o que há de único em cada caso, é o não saber do que se fala, pois, é deste não saber que o sujeito reencontrará o que dele, está em sofrimento, seja esta parte do ser que é uma verdade em sofrimento e que se goza no silêncio da pulsão de morte. É esta letra em sofrimento, que Lacan nomeou também de objeto a. E é este o objeto a que vem manchá-la, de onde o sentimento de pudor, de vergonha, e até mesmo a vergonha de si mesma, levando alguns ao suicídio, tão importante neste momento lógico, como nos lembra os dois casos apresentados.

Lembramos que, para Lacan, a adolescência é o tempo lógico necessário “em função de um laço a estabelecer a partir da maturação do objeto a15. Para a psicanálise, é a partir deste objeto a que também o sujeito toma a palavra. É a partir daí, que o adolescente arrisca seu eu, e é desta enunciação nova que ele tenta apanhar o que nomeio a língua de autenti-cidade. Seja esta língua da sensação imediata que se joga ou se goza mais perto do corpo, de se articular mais a sensação que ao significante do saber do Outro. O adolescente é aquele que se instala aí no lugar do saber, a verdade imediata de seu ser.

O que há de único: o valor semântico e a referência ao real

Em psicanálise, o sujeito que fala reencontra o discurso analítico, que lhe oferece a possibilidade de inscrever escrever o saber S2 no lugar atribuído à verdade, e não àquele do real. É neste, que Lacan colocará, no lugar da varidade, a varidade16 variável do sintoma, seu sinn. No lugar do real se inscreve S1, como o sintoma é o que do inconsciente se traduz por uma letra. Do lado da verdade, nós temos o sinn do sintoma, quer dizer um saber que é suposto e variável. De outro lado, temos a Bedeutung do sintoma reduzida a uma letra.

A psicanálise faz valer que o que há de único em cada caso é o sofrimento17, quer dizer a maneira pela qual o sujeito se arranja de acordo com a modalidade de uma amarração, sempre a inventar entre a referência ao real, seja a libido, de onde Lacan deduz de Freud a bedeutung e o valor semântico, seja o sentido, de onde Lacan deduz o Sinn. É a maneira pela qual cada um usa seu sintoma como modo de gozo18. Mas também, é a maneira pela qual cada um fica doente, e a psicanálise restitui este momento dramático na trama linguageira que o sujeito habita.

Somente os ditos do paciente nos permitem apreender como cada sujeito reencontra no caminho de sua existência a partir do que o sustenta – seja sua libido – , dos significantes, um certo dizer não, que Freud nomeou Versagung, que lhe abre a via do recalcamento semântico.

Se o sentido necessita do significante ele necessita também do Outro, é lá onde a intenção da significação, o querer dizer, reencontra o Outro como estrutura, e cruza a libido freudiana, que nós nomeamos também de gozo aí onde Lacan havia colocado um tempo, seu eixo imaginário, eixo do narcisismo, mas também eixo pulsional, que vem cruzar para todo sujeito o eixo da estrutura, eixo da língua de onde vem por meio de um sintoma enodar seu corpo vivente à linguagem.

Nós sabemos, então, que em cada sintoma neurótico, há um trauma, uma fixação anterior, uma referência ao real. Mas para que o sintoma se produza, é necessário que ele seja inconsciente, quer dizer, que tenha havido recalque, um sentido recalcado. É lá, onde o sintoma apresenta-se como um enigma na medida em que se conecta a fantasia. É por isso, que Lacan insistirá sobre a presença do psicanalista como fazendo parte do conceito de inconsciente. Então, o sentido no real é possível, à condição de estabelecer a oferta de uma tradução possível na clínica sobre transferência, onde é inclusa a presença do psicanalista. É o que é bem traduzido por Polyana, graças a seu analista que lhe permite construir esta cena do arrebatamento e da agressão evocada com a história de banana e da prima. Então, no melhor, cada um na sua invenção dá sua versão, ou no pior revela a parte impossível de suportar.

A pantomima e sua possível tradução

Poderíamos aqui fazer a hipótese de que o distúrbio chamado pelo behaviorista de distúrbio do comportamento, anorexia ou suicídio, seria a pantomima de um texto em sofrimento de ser lido, e que não nos é conhecido, que este texto estaria para ser produzido, e que se trata aí de um “dever” bem mais exigente que aquele que visa uma simples mudança de atitudes ou de condutas. A pantomima acompanha um texto inacessível ou ela é uma linguagem? Se o sujeito dá um sinal pelo seu comportamento anoréxico, qual pode ser o seu parceiro? O olhar que o vigia, o avalia, o classifica, ou um discurso que ele ignora? Por forcluir a “coisa psi”, as terapias cognitivas comportamentais (TCC) que visam o retorno à ordem dos distúrbios do comportamento, dão valor ao corpo como suposto possuidor em si mesmo, de uma capacidade instintual de adaptação a reeducar, enquanto que, a psicanálise supondo no sujeito um texto reforçando sua conduta, sustenta a importância para além da psique, do dizer, pois, para Lacan todo ato tem o lugar de um dizer. “Isto quer dizer que não é suficiente que haja um fazer para que haja ato, não é suficiente que haja movimento, ação, é necessário que haja também um dizer que enquadre e fixe este ato”19.O behaviorista aliando-se ao discurso do mestre pretende ter a solução para fazer entender a razão do causador do distúrbio frente à insegurança que ele promove. Para ele, o causador do distúrbio não o causa.

É por aí onde, para Polyana, o distúrbio alimentar se decifra como pantomima em resposta a um acontecimento ligado ao pai que lhe impulsiona a parar de comer. Mas esta anorexia não está sem ligação a uma tentativa de suicídio, onde esta coloca sua vida em jogo, ou seja, a existência de seu ser para tentar verificar qual valor ele tem junto ao Outro, que justamente lhe ofereceu esta vida, pela qual ele estima que ele tem de ser o responsável. Como, aliás, para Gabriela que cortou os próprios punhos, antes de responder a este buraco no real pelo sintoma anoréxico. Lacan desde Os complexos familiares20 remarcava que a pulsão de morte se enodava ao complexo de desmame sob a forma mais original, e se revelava em “suicídios especialíssimos que se caracterizam como não violentos, ao mesmo tempo que neles se evidencia a forma oral do complexo: greve de fome da anorexia nervosa”21. Porém, o distúrbio de conduta do sujeito é uma resposta frente à insegurança linguageira que enrijece desde seu encontro com o buraco da significação da língua, que o confronta a um impossível a dizer, muito bem descrito por Polyana. A psicanálise não aposta na retificação subjetiva da realidade do sujeito, mas no sofrimento, no impasse, impossível a dizer, que o sujeito encontrou e que ele traduziu em uma passagem ao ato podendo ir até o suicídio, o qual Lacan faz o modelo de todo ato.

Retornamos, então, a compreender o que a faz agir, ajudando-a a encontrar um lugar de endereçamento para seu sofrimento, onde a elaboração da sua própria fórmula terá valor de suplência, lá onde o que ele rejeita é a fórmula do Outro, preferindo o curto-circuito do Outro, o lugar de saber e da palavra.

Para além da paixão da ignorância: a oferta da presença do psicanalista

“O suicídio é o único ato capaz de ter êxito sem qualquer falha. Se ninguém sabe disso, é por partir da prevenção de nada saber”.22 Com Lacan, consideramos o suicídio a partir de uma prevenção, esta da decisão do sujeito, de uma responsabilidade que ele tomou, mesmo sem conhecer as causas, que são destes sofrimentos estranhos. A decisão do psicanalista é de considerar que o sujeito pode assumir alguma coisa, que ele procure, considerando este ato ou utilizando-o evitar uma zona de saber que concerne ao mais próximo de seu ser no mundo e sua possibilidade de desejar, e que ele encontra-se no impedimento de subjetivar23, de traduzir em palavras. A psicanálise oferece ao sujeito a escolha de superar sua paixão da ignorância que lhe levou a pensar em suicídio para evitar um saber que o concerne. Pela palavra oferecida ao sujeito, visamos obter um saber concernindo o real que o sujeito pelo seu ato evita. Frente à verdade, de que se sofre, a decisão do saber e a possível tradução.

Polyana e Gabriela nos mostram como a partir da oferta de poder falar, ambas decidem deixar esta paixão de ignorância. Cada uma delas faz valer este momento de forma tão particular, em que cada adolescente começa a sentir que o ponto de onde ele pode se ver digno de ser amado, a saber, amável, pode desmoronar-se, revelando a cada uma esta tensão entre o ideal do eu e esta parte do ser que pode levar o sujeito a detestar-se, a separar-se desta parte dele que faz uma mancha negra na sua existência. Gabriela diz muito bem este sofrimento indizível que a impede de controlar seu corpo. Sua prática de incisões para tentar encontrar um limite nas marcas de seu corpo, pode ir até cortar-se as veias para se fazer sangrar. E é então, esta mancha dela mesma que a faz mulher que ela não sabe resolver à exceção de olhar-se nesta marca de sangue sobre as paredes. O trabalho da análise lhe aporta aí uma vestimenta significante lhe permitindo colocar um véu sobre esta mancha negra de seu ser, seja o sangue de suas menstruações que por de ser revelada pelo professor de ginástica aos seus colegas, deixam-na estranha a ela mesma. Tudo, então, em torno dela se desmorona e pensando-se sem amor, sem mais algum ponto para se ver, ela decide separar-se da cena do Outro, cortando-se as próprias veias, encarnando no seu corpo esta mancha de sangue a mais.

O analista procura apreender qual gozo pôde levar o sujeito a prejudicar-se ele mesmo e a romper com o Outro, para poder agir sobre este ponto, pois, é este ponto que é único para cada sujeito24.

A maneira única que cada sujeito usa seu analista como objeto

O analista tem para isso dois instrumentos importantes: a transferência e o inconsciente. A transferência supõe a duração, ela supõe também que as transferências das fantasias do analisante se depõem sobre a pessoa do analista, se este sabe acolher a palavra. Ele deve saber fazer-se parceiro sintomático das fantasias do sujeito, seja do que há de único nele, e que às vezes se escuta sem que ele seja dito. É por isso, que a análise não é somente uma simples cura da palavra, e uma simples busca de sentido, de sinn. Ele deve saber se deixar utilizar com prudência, pois, a “interpretação, quando ele a faz, é recebida como proveniente da pessoa que a transferência lhe imputa ser”25, e isto também é a maneira única que cada sujeito vai utilizar seu analista como um objeto. O poder da palavra intervém no coração do gozo do sujeito para enquadrá-lo, até mesmo modifica-lo a partir de um dizer.

Tradução: Simone Bianchi.

Artigo disponível no endereço: http://ea.eol.org.ar/03/pt/textos/txt/pdf/textos_lacadee.pdf

Fonte Imagem: Miró 67.jpeg

 Bibliografia: ______________________________________________________________________

1 Este trabalho é o comentário de Philippe Lacadée do trabalho de Cristiana Pitella de Mattos: “Un type: deux problèmes, deux solutions”, ambos apresentados no colégio franco-brasileiro em Paris, no dia 25/01/07.

2 Freud, S. “Conferências sobre a psicanálise”, Em: ESB, Vol. XVI., Rio de Janeiro, Imago, 1996, p.277.
3 Idem, p.278.
Utilizei a tradução que consta na ESB. Em francês, nós temos a seguinte citação: “Mais cependant sur ce fond semblable, les malades particuliers apportent la touche de leurs conditions individuelles, de leurs lubies, aimerant-on dire, qui se contredisent carrément d’un cas à l’autre”. Traduziria da seguinte forma: “Mas, no entanto, em pontos similares, os doentes trazem a marca de suas condições individuais de forma particular, das suas idéias, gostaríamos de dizer, que se contradizem claramente de um caso a outro”.
4 Idem, p.279.
5 Lacan, J. “Introdução à edição alemã de um primeiro volume dos escritos”, Em: Outros escritos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar editor, 2003, p.554.
6 Lacan, J. Le Séminaire Livre XVI, “D’un Autre à l’autre” Paris, Seuil, 2006, p.69.
7 Idem, p.69.
8 Lacan, J. “Introdução à edição alemã de um primeiro volume dos escritos”, Em: Outros escritos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar editor, 2003, p.554.

9 Idem,
10 Lacan, J. “A psicanálise e seu ensino”, Em: Escritos Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro, 1998, p.452.
11 Rimbauld, A. “ Déserts de l’amour ”, in Œuvre vie, Edition du Centenaire établie par Alain Borer, Arlea, 1991, p.175.
12 Idem, p.440.

13 Nota do tradutor: veremos como o autor no desenvolvimento de seu comentário considerará como uma mancha, uma marca (tache) no quadro da infância este instante em que o real faz buraco no corpo e furo no saber, diante do qual o sujeito tem a obrigação, o trabalho (tâche) de subjetivar. Neste sentido serve-nos tanto o trabalho de elaboração assim como a obrigação, a responsabilidade em face de tal acontecimento.

14 Freud, S. “Lettre à Fliess n◦46 ”, in Naissance de la psychanalyse, PUF, 1956, p.145.

15 Lacan, J. Le séminaire, Livre X “L’angoisse”, Paris, Seuil, 2004, p.300.
16 Nota do tradutor: Temos a condensação entre Variedade e Verdade, Varidade vide O rouxinol de Lacan, texto de Jacques-Alain Miller.

17 Lacan, J. Le Séminaire Livre XVI, “D’un Autre à l’autre”, Paris, Seuil, 2006.

19 Miller, J.-A. “Remarques sur son concept de passage à l’acte”, in Revue Mentale n◦17, p.25.
20 Lacan, J. “Os complexos familiares na formação do indivíduo”, Em: Outros escritos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar editor, 2003.
21 Idem, p.41.

22 Lacan, J. “Televisão”, Em: Outros escritos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar editor, 2003, p.541. 23 Guéguen, P.-G “Principes du pouvoir de la psychanalyse”, in Revue mentale n◦17, p.10.

24 Idem, p.13.
25 Lacan, J. “A direção do tratamento e os princípios de seu poder”, Em:Escritos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar editor, 1998, p.597.

________________________________________________________________________

Artigo disponível no endereço: http://ea.eol.org.ar/03/pt/textos/txt/pdf/textos_lacadee.pdf

Sobre o(a) Autor(a)

Psicanálise e Amor

Quer ser um colunista deste site?
Entre em contato.
Contato: caroline@psicanaliseeamor.com.br

Artigos Relacionados

Deixar um Comentário/Resposta