October 20, 2017

Agende Sua Consulta: (15) 98119.7327 | Sorocaba - SP

Amor e Realidade

AMOR E REALIDADE

Por: Cássio Vilela Prado

O que é o amor?

Para onde sou remetido quando digo ou ouço a palavra amor, como agora?

Qual o seu significado e quais são as imagens que vêm à minha cabeça?

Pois bem, posso imaginar pessoas, lugares, tempos… todas essas imagens associadas a valores sensíveis em meu íntimo, exclusivamente pessoais.

Nessa direção, o amor é alguma sensação que foi vivenciada em algum passado, portanto, é uma emoção passada atrelada a algum momento da nossa história que se perdeu, assim é algo nostálgico e perdido.

Não podemos amar pessoas, senão naquilo que neles projetamos dessa nostalgia perdida. São resíduos que tentamos atualizar no presente ou num encontro fantasiado do futuro.

Entretanto, se houve um tempo vivido e marcado por essas sensações e imagens que tendem a se atualizar através da nostalgia e da fantasia, qual tempo marcado foi esse que ficou para trás e que, todavia, apresenta-se de forma residual no presente? Um tempo que ficou sem ficar, atemporal?

Sigmund Freud, o pai da Psicanálise, nos diz de forma categórica, que esse tal de amor só pode ter a sua origem na mais remota infância, quando nos deparamos com os nossos primeiros outros: papai, mamãe e similares, originando a trama chamada de amor (e desamor).

Sem que se saiba, a priori, ‘aquele sorriso’ e ‘aquelas palavras ouvidas’, causadoras das impressões sensoriais no infans, serão a sua forma (marca) e o seu modo de ser.

Busca-se, a partir daí, por toda a vida afora, aquelas ‘impressões sensoriais’ perdidas, entretanto, às quais nos fizeram humano, muitas vezes, ‘demasiadamente humano’.

Nesta via, amar nada mais é do que eleger um outro, dentre tantos, para ser encantado.

Assim como esse amor pode ser a fonte de prazer, pode também ser a fonte de desprazer: há quem busque até hoje a sensação da ‘primeira mamada’, ou do sorriso ‘aprovatório’ do outro daquele período remoto encantado, contudo para sempre presente no inconsciente.

Em nada obstante, o amor também pode ser uma forma de adoecimento, muito usual, que os humanos ‘inventaram’, pois, nas tentativas de recriar o ‘paraíso perdido’, entrega-se às mais diversas bizarrices de comportamentos e fantasias, às vezes provocadoras de dor e sofrimento, conquanto que se resgate aquele encanto perdido, embora os atores envolvidos na ‘nova trama’ não se deem conta disso.

Essa mistura de amor e desamor, aprovação e desaprovação do outro que compõem os romances humanos são os enredos principais dos sujeitos nos consultórios de psicólogos, psicanalistas, psiquiatras… Inclusive com os amigos(as), professores(s), redes sociais…

Todos desejam ser amados e amar, cada qual do seu jeito, muito embora o que mais se vê é a face sombria do amor…

Àqueles que conseguem perceber melhor as origens de suas ‘sinas’, talvez consigam sentir melhor o solo da realidade e a se desvencilhar um pouco do ideal de completude imaginária depositada nos outros, haja vista que o outro também não pode completar ninguém, posto ser incompleto.

Não que a nostalgia e a fantasia sejam um mal, ao contrário, mas um pouco de realidade não faz mal a ninguém.

Aquele momento ‘mágico’ de outrora, que assim você o atribuiu, é apenas uma ‘magia’. E ‘magia’ não convive bem com a realidade.

Amar sim, morrer por amor jamais.

A realidade, embora dura, pode ser mais bela…

____________________________________________

Autor: 

Cássio Vilela Prado–  Especialista em Psicologia Clínica – CFP. Brumadinho (MG), 16 de janeiro de 2016

Fonte Imagem: bellalimac-blog.tumblr.com

 

 

Amor e Realidade Psicanálise e Amor uma transmissão Amor e Realidade Psicanálise e Amor uma transmissão Amor e Realidade Psicanálise e Amor uma transmissão Amor e Realidade Psicanálise e Amor uma transmissão Amor e Realidade Psicanálise e Amor uma transmissão Amor e Realidade Psicanálise e Amor uma transmissão Amor e Realidade Psicanálise e Amor uma transmissão Amor e Realidade Psicanálise e Amor uma transmissão Amor e Realidade Psicanálise e Amor uma transmissão #psicanalise #amor #freud #lacan #psicanaliseeamor#psicanaliseeamorumatransmissão #psicanalisesorocaba #psicanalistasorocaba #psicanalista #psicologosorocaba

 

 

Sobre o(a) Autor(a)

Psicanálise e Amor

Quer ser um colunista deste site? Entre em contato. Contato: caroline@psicanaliseeamor.com.br

Artigos Relacionados

Deixar um Comentário/Resposta